Podcasts têm ocupado os ouvidos e a cabeça dos consumidores de conteúdo

Nos últimos tempos, com a industrialização e tecnologia cada vez mais presente em nosso cotidiano, consome-se uma infinidade de conteúdo ao mesmo tempo em que entrega-se projetos, estuda-se e se mantém as relações interpessoais. Com toda essa informação passando pela ponta dos dedos nas timelines, o tempo está parecendo cada vez mais escasso e a preocupação vem sendo a forma de lidar com ele para gerenciar todas as tarefas com sucesso. Por isso, a gestão de tempo tem se unido ao gerenciamento de mais de um afazer por vez. Há quem trabalhe ouvindo música, quem assiste série enquanto cozinha, quem lê e-mail até mesmo quando anda.

E no meio desse fenômeno cotidiano, um formato tem se tornado uma sensação no Brasil: o podcast. Esse crescimento também está ligado diretamente ao maior número de smartphones e maior ambientação na internet. Em apenas um ano, o país já ganhou 7 milhões de ouvintes com mais de 16 anos, é o que aponta um levantamento realizado pelo IBOPE para a Pesquisa Globo Podcast, em outubro de 2020. Bem permeado entre ambos os sexos, com 51% de ouvintes homens e 49% mulheres, o formato cresceu ao passo que a pandemia chegou.

Com potencial de ainda mais, é necessário estar atento para as possibilidades que o podcast traz para a comunicação estratégica nas organizações. O mercado crescente oferece uma ampla janela para as empresas estarem presentes em mais uma opção para o consumidor, através de conteúdos relevantes e temas do momento.

Por onde começar, então?

Os ouvintes relataram ao IBOPE que os fatores que mais os levaram a ouvir um podcast foram interesse pelo assunto (66%), linguagem informal e simples (64%) e credibilidade de quem produz (46%).

Portanto, a depender do público que a marca deseja alcançar, faz-se necessário analisar a forma que um podcast deverá ser produzido: seu tema, linguagem, apresentação e divulgação. É neste sentido que a comunicação estratégica entra para garantir os resultados esperados.

O primeiro passo, então, é entender o seu público e o tipo de conteúdo que será relevante para sua organização. Liste os principais pontos dessa lista e, aí, basta desenvolver um bom roteiro, que será a base do programa.

Seja para aprender, se entreter ou se atualizar, o podcast tem se apresentado não só como uma boa opção para os ouvintes, mas também como uma possibilidade com grande potencial para as marcas. As mundialmente conhecidas conferências TED Talks, por exemplo, já investiram em transformar seus conteúdos em podcasts para os interessados. Canais de comunicação, como o Grupo Globo, CBN e Estadão, também já incluíram o formato em seu portfólio.

Não dá para ficar de fora, não é mesmo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + 17 =